Make your own free website on Tripod.com

 

C.B.F.

Brasil Tetracampeão Mundial

Uma página não oficial realizada por um brasileiro                 

 Version en Français Français     Versión en Español Español     English Version English       

 

1958 - Sweden

Suécia-1958   foto 01    foto 02

Ninguém fazia muita fé naquela seleção, mas ela encerrava a predestinação dos vitoriosos. A primeira partida foi vencida com facilidade, 3 a 0 na Áustria. Na segunda, entretanto, o Brasil empatou sem gols contra a Inglaterra. Então, Didi e Nílton Santos, os líderes da equipe, intensificaram as gestões junto ao técnico Vicente Feola e ao chefe da delegação Paulo Machado de Carvalho para que Pelé e Mané Garrincha fossem escalados no onze titular.

A estréia dos dois na partida seguinte conta a temível URSS marcou o início da caminhada rumo ao título. O futebol científico dos soviéticos acabou dizimado por 2 a 0, numa exibição vertiginosa de Garrincha. A retranca do País de Gales caiu frente a genialidade de Pelé, 1 a 0. Restava enfrentar a França, a melhor equipe da Copa ao lado do Brasil, vitória por 5 a 2.

Na decisão contra os donos da casa, a Suécia, o Brasil levou o primeiro gol. Didi apanhou a bola e levou calmamente para o centro do gramado conclamando os companheiros â reação. Não deu outra, Brasil 5 a 2. Enfim, Brasil campeão do mundo.

1962 - Chile

Chile-1962   foto 03    foto 04

Nem Todos confiavam naquela seleção um pouco mais velha, é verdade, mas ela contava com Garrincha em plena forma e principalmente Pelé no apogeu. A campanha que se esperava fácil tornou-se dramática logo no segundo jogo. Pelé distendeu a virilha e o Brasil perdeu o Rei. Ainda bem que tínhamos Mané.

Na terceira partida a seleção precisava da vitória tanto quanto os adversários. Os espanhóis saíram na frente e quase conseguem uma vantagem maior. Nílton Santos fez pênalti, mas malandramente deu um passo para fora da área e o juiz marcou apenas falta. A partir de então, Garrincha começou um verdadeiro baile. Depois de driblar varias vezes os zagueiros espanhóis, deu um gol de bandeja para Amarildo que havia entrado no lugar de Pelé e que se consagrou com o segundo gol. Contra a Inglaterra, Mané fez até gol de cabeça e o brasil venceu por 3 a 1. Na semifinal, a seleção despachou os chilenos, donos da casa, por 4 a 2, a pesar da péssima arbitragem do peruano Arturo Yamasaki que, inclusive, expulsou Garrincha.

Com a mobilização até do Presidente da República, o Brasil conseguiu que Mané fosse escalado para a decisão contra a Checoslováquia. Garrincha, entretanto, estava com muita febre. Mas sua presença serviu para monopolizar a atenção de defesa adversária enquanto os demais jogadores garantiam o bicampeonato por 3 a 1.

1970 - Mexico

México-1970   foto 05   foto 06

Depois do fracasso de 66, a seleção teve de dar a volta por cima. Já nas eliminatórias, o Brasil venceu os seis jogos que disputou, sob o comando do técnico João Saldanha, o grande
responsável pela reformulação do selecionado. Mas Saldanha tinha um grande "defeito" para um técnico: não sabia engolir sapos. Por isso, a pesar da campanha exuberante do time, acabou deixando o comando. Para dirigir as "Feras de Saldanha" o escolhido foi Zagalo.

No México, a seleção realizou a mais perfeita campanha em toda a história dos Mundiais com seis vitórias em seis jogos, sendo que Jairzinho marcou em todas as partidas. Na primeira fase o Brasil disputou sua partida mais difícil contra a Inglaterra, então campeã do mundo. O único gol nasceu de uma jogada pessoal de Tostão. O centroavante infernizou o setor direito do English Team e virou o jogo. Pelé matou a bola e deixou para Jair marcar. O jogo mais dramático, entretanto, ainda estava por vir. Na semifinal contra o Uruguai, o Brasil perdia um a zero até o final do primeiro tempo, quando Clodoaldo empatou. No segundo tempo a virada se consolidou por 3 a 1.

Na final contra a Itália, o Brasil marcou quatro gols exibindo sua superioridade e tornando-se o primeiro país a ganhar um tricampeonato mundial. Fato que deu direito a maior honraria do futebol, a pose definitiva da taça Jules Rimet.

1994 - U.S.A.

EUA-1994   foto 07     foto 08

A conquista do tetracampeonato mundial oscilou entre o pragmatismo do técnico Carlos
Alberto Parreira e a genialidade do craque Romário. Parreira tratou de montar uma defesa forte, com dois ótimos zagueiros, Márcio Santos e Aldair, e um meio de campo combativo, com Dunga e Mauro Silva. Mas não conseguiu conferir criatividade na armação das jogadas que tiveram de depender quase que exclusivamente de Romário e Bebeto. Os resultados na última fase espelham bem como a seleção jogou: 1 a 0 contra os Estados Unidos. 3 a 2 contra a Holanda, com um gol bárbaro de falta executado por Branco. E 1 a 0 contra a Suécia na semifinal. Na partida decisiva, um angustiante 0 a 0 que se prolongou até o juiz pitar o final da prorrogação.

Na dramática decisão por pênaltis, o Brasil venceu graças aos erros dos jogadores italianos e a uma histórica defesa de Taffarel. Sem dúvida, o Brasil foi o melhor para ser o primeiro Tetracampeão da história. Mas poderia ter vencido com mais facilidade.

 

?

 

No Violence